Segunda edição da Copa das Aldeias movimenta comunidade de Free Fire

Segunda edição da Copa das Aldeias movimenta comunidade de Free Fire

Competição começa dia 10 de janeiro, com 144 equipes e transmissão exclusiva pela Nimo TV

No dia 10 de janeiro começa mais uma edição da Copa das Aldeias, campeonato de Free Fire realizado apenas com guildas de comunidades indígenas. Desta vez serão 144 equipes, de diferentes etnias, dos quatro cantos do Brasil, mostrando que não tem obstáculos para o mundo dos esports. A transmissão será feita, com exclusividade, pela Nimo TV, no canal www.nimo.tv/copadasaldeias.

A organização do campeonato é do caster e streamer Igor “Cai Por Terra”, que desde o ano passado, junto com Werá Alexandre, cineasta Guarani, atua com os indígenas para mostrar como os games podem transformar a vida dessas comunidades e quebrar paradigmas. Para essa nova temporada, o evento ganhou o reforço das gamers Emy Yoshino “Bruxinha” e Flávia Xakriabá, da etnia Xakriabá, em Minas Gerais. 

“Em dezembro de 2020 fizemos a primeira edição da Copa das Aldeias e tínhamos apenas 48 guildas competindo. Durante as seletivas e todo campeonato, a procura por informações de uma nova oportunidade fez com que quase triplicássemos o número de equipes participantes”, comenta Cai por Terra. 

A Copa das Aldeias 2ª Edição irá distribuir R$ 2 mil entre os cinco primeiros colocados e o MVP da competição. A disputa final acontece no dia 30 de janeiro, com “codiguinhos” para o público durante as lives, esses patrocinados pela Smile One.

“Será praticamente um mês inteiro de muita emoção e gameplays de alto nível, mostrando que esses meninos e meninas não estão para brincadeira e mesmo com todos os obstáculos tecnológicos que enfrentam, amassam os adversários”, comemora Luis Soares, gerente de Esports da Nimo TV. “Fora que toda a comunidade se mobiliza e torce mais do que em final de campeonato de futebol”, complementa. 

Esta edição terá guildas das etnias Amondawa, AVA Guarani, Gavião Kyikatêjê, Gavião/PA, Guajajara, Guarani, Guarani Nhandewa, Javaé, Kaingang, Kaiowá, Kalapalo, Kanhgág, Karajá, Karajá, Kayapó, Krikati, Manoki, Mbya Guarani, Nambikwara, Paresí, Paresí Haliti, Rikbaktsá, Terena, Tupi-guarani, Xakriabá, Xavante, Xikrin e Xokleng, contemplando as cinco macrorregiões do Brasil – Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul.

“Fazemos uma análise bem rígida das equipes e seus integrantes, pois queremos ter certeza de que todos os inscritos são de comunidades indígenas”, alerta a gamer Emy Yoshino “Bruxinha”, que é responsável por essa seleção. 

Games e a Comunidade Indígena

Os games estão entre os principais meios de entretenimento no mundo. Só no Brasil são mais de 67 milhões de gamers, segundo pesquisa encomendada pela Brasil Game Show (BGS) em 2020. Já segundo dados da Pesquisa Game Brasil (PGB), os jogos mobile dominam o cenário, com 86,7% do público. 

Nas comunidades indígenas, os jogos eletrônicos também estão ganhando espaço e têm mobilizado diferentes etnias Brasil afora. Superando barreiras tecnológicas, com poucos recursos físicos e conexão de internet, muitas vezes, precária, esses jovens mostram que não há obstáculos para o talento e todos estão aptos para uma boa partida. 

O Free Fire é um dos principais jogos dentro das comunidades indígenas, que já organizavam competições entre eles, com transmissão ao vivo e narrador. E foi num desses eventos que Igor “Cai Por Terra” conheceu a “tropinha” indígena e viu um grande potencial nesses jogadores. 

“Fui convidado para fazer a narração de um dos campeonatos e a partir daí não consegui mais ficar longe da comunidade. Só pensava que esses meninos e meninas precisavam ser vistos. Que era muito talento fora do grande circuito. Foi assim que surgiu a ideia de fazermos a Copa das Aldeias”, relata Cai Por Terra. 

A primeira edição da Copa das Aldeias foi vencida pela DL DEIXALIKE, da etnia Kaingang, localizada no estado do Rio Grande do Sul, com os gamers DL MAXSWELL e DL NAUBERT, de 16 anos, DL DIEGO, de 14 anos, e DL YUGUI, de 17 anos. Já o MVP da competição foi $ VITINN, da guilda $ Dollares $, com 15 kills. 

E não foram só os jovens que se motivaram com os games. Cai Por Terra conta que até os anciãos das comunidades foram conquistados pelo Free Fire e a Copa das Aldeias permitiu que eles conhecessem etnias que nunca tinham tido contato anteriormente. Cada partida reunia jovens e adultos em frente a uma tela para torcer por seus jogadores, com uma energia muito boa. “Essa conexão entre as gerações, entre as tradições indígenas e tecnologia criou algo muito maior e melhor. Ver esse resultado é emocionante.”

Os desafios vividos por esses jovens gamers nas comunidades indígenas começam com o preconceito e a dificuldade de acesso às tecnologias. A maioria não consegue comprar smartphones ou computadores e consoles de última geração, por isso, jogos como o Free Fire estão colaborando para popularizar os esports em todos os públicos. 

“Estimulamos os games nas comunidades indígenas para trazer mais alegria e esperança. Além, é claro, de darmos visibilidade para a essa população diante de todo o empenho desses jovens para jogar, andando, muitas vezes, vários quilômetros para conseguirem uma conexão de internet boa”, conta Bruxinha.

Cai Por Terra complementa: “além dos estudos, todos os jogadores indígenas têm suas próprias tarefas em suas comunidades, por isso os horários de treino são flexíveis e acontecem entre as próprias equipes. A Copa das Aldeias transborda o competitivo fomentando a união, a colaboração e a confraternização entre os povos”.

Uma música para chamar de sua

Os games têm inspirado muitas canções pelo mundo a fora e com a Copa das Aldeias não poderia ser diferente. O rapper indígena Issac de Salú, da etnia Kiriri/Pataxó, está produzindo uma música especialmente para homenagear a competição e os atletas. O lançamento acontecerá durante a transmissão da final do torneio, no dia 30 de janeiro, às 19h, na Nimo TV. 

Copa das Aldeias 2ª Edição

Para não perder nenhum “kill” desses “brabos” que vão competir esta segunda edição da Copa das Aldeias, confira abaixo a tabela de jogos. As transmissões serão feitas no canal da competição da Nimo TV – www.nimo.tv/copadasaldeias – e todas as informações estão disponíveis nas redes sociais do torneio – Facebook e Instagram

Primeira FaseOitavasQuartas
10/jan18h 18/jan18h 26/jan18h
11/jan18h 19/jan18h 27/jan18h
12/jan18h 22/jan18h 
13/jan18h 23/jan18h Semifinal
14/jan18h 28/jan18h
15/jan18h 
Final
30/jan19h

Sobre a Nimo TV

A Nimo TV é uma plataforma de streaming com foco na transmissão de jogos eletrônicos, conteúdos criativos e esports. Criada pela Huya, um dos maiores serviços de streaming de jogos da China, a Nimo TV chegou ao Brasil com o propósito de oferecer conteúdo de qualidade e divertir quem quer transmitir partidas ou assistir seus canais favoritos.  Em 2018, a Huya passou a ser listada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), após receber investimento de US$ 460 milhões da Tencent. Dentre os principais recursos da Nimo TV, estão o “Ultra HD Broadcasting”, “Video Second Open”, “Full Link Monitoring” e “Mobile Streaming”, que permite a transmissão de sessões de gameplay ao vivo diretamente do aparelho mobile para o aplicativo do serviço.

Site: https://www.nimo.tv/

Facebook: https://www.facebook.com/nimotvbrasilofficial/

Instagram: https://www.instagram.com/nimotv_brasil/ 

Twitter: https://twitter.com/NimoTV_Brasil

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCM2KZf8aWOCf7cqz4lrRejg

Discord: https://discordapp.com/invite/HndjeB5 

Blog: http://nimotv.blog/

TikTok: https://www.tiktok.com/@nimotvbrasil 

maxwelladmin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *